segunda-feira, 11 de julho de 2016

Resenha Nacional - Simplesmente Ana - Marina Carvalho


Editora: Novo Conceito
Autor(a): Marina Carvalho
Páginas: 301


Sinopse:
Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha…
Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex.
Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro.
A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam.
Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

                                         
                       

Engraçado, fofo, romântico.. Conheçam Simplesmente Ana, da autora Marina Carvalho.


Ana Carina é uma mineira comum. Aos 20 anos, cursa faculdade e vive com a mãe. Seu pai a abandonou quando soube da gravidez, e ele não tem participação alguma em sua vida. Até que uma mensagem em inglês aparece em seu facebook, com um homem que diz ser ele. Sim, pelo face. Moderno, não? Ela percebe pelo nome que as chances de o tal Andrej ser realmente seu pai são grandes, e tudo é confirmado. Mas essa está longe de ser a maior surpresa. Ele é nada mais nada menos que o rei de Krósvia. Pera, então Ana é uma princesa? Isso mesmo!
Ela então vai ao país de seu pai para passar a temporada, conhecê-lo melhor e aos costumes do pequeno país europeu. A criadagem do palácio é super simpática, e ela logo se sente acolhida. Mas nem tudo são flores. Ela também conhece o Alex, o arrogante enteado de seu pai. Mas com a convivência, ela percebe que ele não é tão ruim assim...



"Melhor passar a vida imaginando uma situação sonhada do que experimentá-la uma vez e não poder tê-la nunca mais."



Se ao ler a sinopse sua mente foi voando para os livros/filmes do Diário da Princesa, está certíssimo. O livro segue a mesma premissa, e até algumas situações são bem similares ás do livro de Meg Cabot. Pequeno país europeu, melhor amiga meio maluquinha e um cara mega gato pra mexer com nossa protagonista. Mas se engana quem pensa que o livro é uma mera cópia. Embora as semelhanças sejam notáveis, Marina conseguiu construir sua própria história, sem ficar à sombra da Princesa Mia. Aliás, o livro faz uma referência a ela. Vejam:



"Quando ele me contou tudo isso, comecei a rir. Fiquei me lembrando de um livro que li sobre uma princesa americana recém-descoberta. Eu estava vivendo algo bem parecido, com a exceção dos cabelos indomáveis. Isso eu não tenho, graças a Deus."



Legal né? Não sei vocês, mas eu quase dou pulinhos de alegria quando vejo uma referência a outras obras nos livros em que leio. E Simplesmente Ana tem a sua cota, já que nossa protagonista adora uma boa leitura. Eu quase morri de invejinha quando ela descreve a biblioteca do palácio! Dava vontade de entrar nas páginas só pra ler na tal poltrona com a vista maravilhosa! Vocês também vão ficar babando! E vão rir. Tipo, demais! Ana é super engraçada, e se mete em cada uma! Coitada, muito atrapalhada ela! Tem uma cena na qual ela vai à manicure na Krósvia e a mulher não sabia como tirar cutícula! Sim, aparentemente, as mulheres tem cutículas gigantes lá. O que Ana faz? Ensina, claro! Dá uma de professora no meio do salão!



Essa personalidade decidida e ao mesmo tempo insegura dela a transformou na minha personagem favorita da história. 
Os outros personagens também tem uma construção boa, como a cozinheira do castelo e a "assistente" da princesa. Ambas muito fofas. Mas ninguém supera Andrej no quesito fofura. 



"E essa foi a primeira vez que chamei Andrej de pai. Deliberadamente. O rosto dele adquiriu uma expressão de realização, como se aquela simples palavra fosse a mais bonita e importante do mundo. Naquele momento, ela era, sim. Pelo menos para nós."



E o que falar de Alex? O "mocinho" dessa história... Ele vai lembrá-lo muito do pretendente da Mia no segundo filme. Até em algumas situações que foram tipo, quase idênticas. Mas Alex tem muito mais carisma. E o romance acontece de forma natural, com aquela implicância toda de início.


                                    

                             
                                   Simplesmente Ana é uma leitura rápida e divertida!!



                                                   
                                  
Postagem: Aninha KF Barbosa